A área de finanças é um dos grandes desafios do empreendedorismo, pois é vital a análise dos indicadores financeiros para o sucesso do seu negócio. A falta de conhecimento das finanças pode levar ao fracasso. Portanto, compreender os números e sua importância é essencial para sua gestão, além de um apoio de um contador na indústria 4.0. Contudo, sem capital para investir e para cumprir com as obrigações, a empresa não têm às condições favoráveis para um crescimento sustentável. 

Ao examinar estes indicadores, você tem um cenário claro da situação e do desempenho da sua organização. Isso, possibilita as decisões mais seguras e estrutura seu planejamento financeiro à sua realidade.

Neste artigo, você vai conhecer um pouco mais sobre a importância dos principais índices e como eles podem auxiliar na administração. Boa leitura!

A importância dos indicadores financeiros para a empresa e para a gestão

Os indicadores são parâmetros que medem e avaliam o desempenho do controle. Sem essas ferramentas, mensurar a evolução financeira das empresas é quase impossível e traz impactos nas futuras tomadas de decisões. A análise deve ser feita com muita cautela para não cair em erro de interpretação e comprometer ainda mais a continuidade da gestão. Seus índices representam um raio x da empresa no momento da sua apuração. 

A interpretação dessas referências pode ser melindrosa quando, isoladamente, se analisa um único índice. Essa conduta pode fornecer dados de uma situação financeira confortável ou não. Contudo, para analisar não basta simplesmente aplicar uma fórmula, e sim a interpretação do valor obtido. 

Conheça os principais indicadores financeiros para a sua empresa

A seguir, os principais índices para a sua empresa. No entanto, é preciso saber definir os mais adequados ao seu negócio. Por isso, tenha em mente que é preciso alinhá-los à sua estratégia, somente assim, você terá resultados confiáveis e não apenas números sem nenhum significado.

Lucratividade

Diferentemente do lucro, lucratividade é o que realmente indica a capacidade de um negócio obter resultados. Já os ganhos, é baseado nas receitas de venda deduzidos dos impostos, dos abatimentos, das devoluções, das despesas e custos operacionais como também dos tributos federais:

  • IRPJ – Imposto de Renda da Pessoa Jurídica;

  • CSLL – Contribuição Social sobre o Lucro Líquido.

A lucratividade é uma porcentagem que mostra o ganho alcançado nas vendas realizadas. É simples chegar a esse resultado, pegue o valor do lucro, divida pelo total das vendas e multiplique por cem. Este resultado é proficiente em questões de comparação com outras empresas, independente do setor ou porte.

Uma queda nesse índice, revela a necessidade de uma intervenção para resolver os problemas que possa existir na formação das receitas ou das despesas. Simultaneamente, é possível o cruzamento desses dados com outros indicadores.

Rentabilidade

É o retorno sobre os gastos com alguma atividade. Enquanto que a lucratividade explica os resultados imediatos da empresa, ela pode ser calculada mensalmente, semestralmente ou anualmente. A rentabilidade é o retorno do investimento que foi realizado na organização a longo prazo.

Este indicador é muito aplicado nos estudos de viabilidade de aplicações. Também pode ser utilizado nas atividades já desenvolvidas para analisar se o rendimento está de acordo com as metas já definidas. É considerado positivo quando, após longos períodos, o resultado atingiu o esperado. 

Quando negativo, evidencia que decisões precisam ser tomadas em relação à precificação, as despesas ou até o regime tributário. Para calcular a rentabilidade, pega-se os dados do lucro líquido, divide-se pelo investimento total da empresa e multiplica por cem. O resultado é o índice de rentabilidade do período analisado.

Estrutura de capital

É um conjunto de informações financeiras que expõe a condição da empresa em lidar com o seu endividamento, ou seja, é o indicador da saúde financeira, ele mede o quanto a sociedade tem em dívidas sobre o seu patrimônio e o ativo circulante, como também da capacidade de quitá-las. 

Vale destacar que, há dois índices que avaliam o endividamento das empresas e como elas se desenvolvem ao longo dos anos: 

  • índice de endividamento geral – indica os ativos que foram financiados por terceiros e que deverão ser pagos (compras parceladas); 

  • composição do endividamento – como está o regime na obtenção de recursos de terceiros: longo ou curto prazo. Esse índice auxilia os gestores a saber se a empresa passará por problemas de liquidez pela falta de dinheiro no curto prazo.

Índice de Liquidez

A velocidade ou a capacidade com que um ativo pode se transformar em dinheiro. A liquidez é medida pela possibilidade de cumprir os encargos de curto prazo à medida que vencem. Os índices mais comuns são:

  • liquidez geral – mede a capacidade de cumprir as obrigações no curto prazo;

  • liquidez corrente – é a predisposição em realizar as obrigações em curto prazo, representa a saúde da empresa;

  • liquidez seca – muito semelhante a corrente, porém, não está incluído os dados do estoque;

  • liquidez imediata – exclusivo e limitado ao caixa, as aplicações financeiras e aos saldos bancários. Não é considerado as contas a receber, o estoque e outros valores de entrada. É de curtíssimo prazo.

Indicador de Atividade

Este indicador tem o objetivo de calcular os vários ciclos das atividades empresariais. O método mede, desde a gestão de estoques até o prazo concedido aos clientes quando da venda de produtos. Os indicadores de atividade são imprescindíveis para a gestão. Confira:

  • giro de caixa – é um indicador muito importante, o gestor pode afirmar quantas vezes o valor do caixa realizou um ciclo completo em doze meses;
  • fluxo de caixa – mede a diferença entre os valores da receita com os valores das despesas.

Caso o valor das despesas seja maior que o das receitas, é sinal de que o empreendimento não está conseguindo gerar capital suficiente para arcar com todas as despesas. 

Após identificarmos os principais indicadores de uma empresa e sua importância para a gestão, fica evidente que, independentemente do tamanho dos negócios ou do mercado, é essencial conhecê-los profundamente e saber interpretá-los corretamente.

Entendemos o qual importante esses dados são para os nossos clientes e por isso investimos em uma plataforma em nuvem Saas desenvolvido em parceria com RedFox, que busca inovar na maneira de entregar relatórios de contabilidade aos usuários.

O KPboard surgiu com o objetivo de melhorar e incentivar os empresários a enxergarem a análise contábil e financeira além dos números, mas sim como uma oportunidade de identificar oportunidades de crescimento dentro do seu segmento. O sistema colhe as informações juntos aos clientes por meio do outsourcing, processa os dados e entrega os documentos com base nas referências. 

A ideia é padronizar os balancetes para que eles apresentem todas as informações contábeis de uma forma mais fácil. O que vai ajudar os gestores a identificar pontos de melhorias e interpretar melhor os números, diminuindo a necessidade de o empresário ter conhecimento aprofundado de contabilidade. A ferramenta promete entregar os relatórios em um formato mais amigável e acessível para qualquer um. 

Compreendendo a importância dos indicadores financeiros, você conhecerá melhor os seus negócios, suas fraquezas e seus pontos fortes. Dessa maneira, será possível colocar em ação um planejamento financeiro estratégico, e caso seja necessário, fazer alterações para a busca de resultados cada vez melhores para a sua gestão.

Nosso artigo foi útil? Ficou com alguma dúvida? Então, acompanhe-nos  no FacebookInstagramYoutube e LinkedIn, e fique por dentro de todas as novidades!