Acompanhe a primeira parte da conversa de Eduardo Luque com Carlos Santiago sobre Riscos Empresariais.

 

Gestão de Risco como aliado da estratégia da organização
Por Carlos Santiago

Riscos, vulnerabilidades e ameaças estão do dia a dia das empresas. Um programa robusto de Gestão de Riscos – quando bem implementado – é eficiente para reduzir a frequência, impacto, minimizar os prejuízos e controlar rapidamente os incidentes.

Segundo o Global Risk Report, de 2018, publicado pelo Fórum Econômico Mundial os cinco principais riscos em expectativa de ocorrência são: (1) Eventos Climáticos Extremos (2) Desastres Naturais (3) Ataques Cibernéticos (4) Fraude e roubo de dados (5) Falha nas ações de adaptação e mitigação às mudanças climáticas. Quando olhamos os principais riscos em expectativa de impacto também encontramos Eventos Climáticos Extremos e Desastres Naturais.  Ambos riscos de alto impacto e alta probabilidade de ocorrência, porém pouca capacidade de influencia ou gestão por parte das organizações e seus gestores.

O que fazer? Quando não podemos prevenir, empresas precisam estar capacitadas e identificar a sua ocorrência e acionar um plano de resposta rapidamente para minimizar danos materiais e à reputação. Também fundamental quantificar o potencial impacto desses riscos às organizações para avaliar a existência e adequação da cobertura de seguros.

Gestão de Riscos Corporativos ou o Enterprise Risk Management (ERM) devem ser vistos como um aliado da estratégia da organização, valendo-se destas técnicas para aprimorar a capacidade da organização em gerir riscos e minimizar o eventual impacto desses no alcance das metas e objetivos estratégicos.

O ERM permite que as empresas tomem consciência quanto a todos os tipos de riscos aos quais elas estão sujeitas. Isto inclui fatores financeiros, políticos, ambientais, corporativos, operacionais, governamentais, tecnológicos, dos mercados e da indústria. Por fim, proporciona uma visão holística dos riscos, suas frequências, seus impactos, controles, sua volatilidade e possibilita priorizar os riscos para que possa controlá-los da maneira mais eficaz e eficiente possível.

Prepara a empresa para que ela tome medidas preventivas, controlando estes riscos de uma maneira proativa, que lhe permite assumir riscos calculados de uma maneira consciente.

É importante ressaltar que o ERM não deve ser tratado como um projeto, e sim como um processo, uma mudança de cultura dentro da empresa, aumentando a eficiência e permitindo que a prevenção/visão de riscos faça parte do dia a dia de todos os seus processos. É um clico: identificação, avaliação e gestão dos riscos para proteger e aumentar o valor econômico da empresa.

O ERM é focado na prevenção e no planejamento antecipado de ações para tratamento dos riscos identificados. Esta abordagem possibilita à empresa se reavaliar a cada ciclo, a cada novo incidente, desenvolvendo nas lideranças e nas equipes uma resiliência natural, quase organizacional.

Benefícios vivenciados pelas companhias que adotaram um ERM:

  • Consolidação do gerenciamento de Riscos na empresa
  • Aumento do foco no que é vital, com identificação de melhorias e eliminação ou mitigação de vulnerabilidades
  • Melhoria no alinhamento do “core business” com as estratégias da corporação
  • Comunicação transparente e eficiente em se tratando de gestão de riscos
  • Alinhamento de riscos chaves, métricas e cenários de impacto com as estratégias e objetivos da empresa
  • Detalhamento das informações sobre os riscos e seus controles para os parceiros e stakeholders
  • Melhoria na tomada de decisão e conscientização sobre riscos e impactos
  • Visão holística dos riscos, processos críticos e estratégias da Corporação