Demonstração de Resultado do Exercício: como evitar erros em sua elaboração?

7 minutos para ler

Os demonstrativos contábeis exercem um papel importante para empresas de todos os portes — muitas vezes, eles são obrigatórios para grandes negócios. Além de auxiliar na gestão dos processos e no compliance, eles resultam em benefícios que podem, até mesmo, reduzir a carga de impostos. Um desses relatórios é a Demonstração de Resultado do Exercício, também conhecido pela sigla DRE.

Quer entender como funciona a DRE, quais benefícios ela traz ao seu negócio e como garantir que o processo ocorra bem? Entrevistamos nossas especialistas, Laura Paccanari, accounting manager, e Tatiane Freiria, gerente contábil, para nos contar um pouco sobre esse demonstrativo. Continue a leitura do artigo e confira!

A importância da Demonstração de Resultado do Exercício

A Demonstração de Resultado do Exercício é um relatório que compila informações financeiras de uma empresa para demonstrar os resultados efetivos que ela traz, incluindo as atividades operacionais e não operacionais. Para isso, não consideramos o regime de caixa, mas o regime de competência. Com isso, toda a movimentação que aconteceu na empresa é registrada e validada.

A DRE é um relatório anual, ou seja, leva em conta os processos realizados entre janeiro e dezembro. Porém, a sua empresa pode adotar o modelo mensal simplificado para aprimorar os processos administrativos, bem como o trimestral para monitorar os gastos fiscais.

Junto ao Balanço Patrimonial e ao Demonstrativo de Fluxo de Caixa, a DRE é indispensável para avaliar a saúde financeira do negócio e aprimorar a gestão do empreendimento. Esse demonstrativo é o que permite ao empresário compreender se a empresa está sendo lucrativa ou trazendo prejuízos. Sendo assim, ele pode agir em tempo hábil, aproveitando as oportunidades do mercado.

Com uma análise correta de resultados, especialistas conseguem fazer a real apresentação de lucros. Para isso, as demonstrações contábeis passam por:

  • posição patrimonial e financeira da empresa;
  • desempenho;
  • fluxos de caixa.

Vale lembrar que despesas, investimentos, custos, contas de receitas e provisões apurados são confrontados para evidenciar a formação do resultado líquido do negócio.

Além de evitar os equívocos cometidos quando gestores e empreendedores observam apenas o regime de caixa, a DRE também ajuda na apuração de impostos, tornando os processos mais organizados.

A estrutura da DRE

A Demonstração de Resultado do Exercício segue uma ordem lógica. Primeiro, são listados os valores relativos à receita bruta de vendas e serviços, bem como as respectivas deduções e os impostos incidentes sobre as operações de venda. Outros abatimentos são considerados nessa etapa.

A partir disso, chegamos ao valor da receita líquida do período, de onde subtraímos os custos dos produtos vendidos e dos serviços prestados para chegarmos, então, ao resultado operacional bruto. Desse valor, subtraímos as despesas realizadas no período. Com isso, obtemos o resultado operacional líquido.

Depois de subtrairmos os valores dos impostos, chegamos ao resultado líquido antes da participação dos lucros. Esta última é calculada sobre o valor do resultado líquido, menos o valor do prejuízo acumulado nas etapas anteriores.

Para facilitar, aqui vai o esqueleto que nós usamos aqui na IRKO e que é aplicado pelos serviços de contabilidade mais renomados:

Receita Líquida de Vendas

( – ) Custos

( = ) Lucro Bruto

( – ) Despesas Operacionais

( = ) Lucro Operacional

(+ -) Resultado Operacional

( = ) Lucro Antes de Impostos sobre a Renda

( – ) Impostos

( = ) Resultado Líquido ou Lucro ou Prejuízo Líquido

Mais prático, não é mesmo? “É com essa estrutura que conseguimos verificar o resultado que a empresa gera na operação e se há uma dívida em moeda estrangeira, por exemplo. Também conseguimos observar se houve uma queda no câmbio e se a empresa pode gerar um lucro ou um prejuízo. É preciso ter muita técnica nessa análise para ela não ser distorcida”, afirma Tatiane Freiria.

Os 3 principais erros cometidos na DRE

Agora que você já entendeu a importância da Demonstração de Resultado do Exercício, está na hora de compreender o que não deve ser feito na elaboração desse relatório.

1. Ignorar etapas

Um dos principais erros da elaboração de relatórios contábeis é ignorar as etapas de confecção da DRE. Afinal, como você pode deduzir, o cálculo passa por uma série de valores, que, se distorcidos, alteram o valor do resultado líquido. Nesse caso, a tomada de decisões fica prejudicada porque os problemas da empresa não são diagnosticados a tempo.

2. Basear-se no demonstrativo de caixa

Outro erro bastante cometido na elaboração da DRE é basear-se no demonstrativo de caixa em vez do regime de competência.

Quer entender a diferença? A DRE precisa do regime de caixa para demonstrar as receitas e as despesas no período de seu efetivo pagamento ou recebimento. Já um demonstrativo elaborado no regime de competência considera as despesas e receitas no período de sua realização, independentemente do efetivo recebimento ou pagamento.

3. Lançar valores incorretos

Problemas de digitação, números duplicados ou dificuldades para o acompanhamento dos históricos podem fazer com que os valores lançados fiquem incorretos. Por isso, é muito importante contar com uma consultoria tributária na elaboração da sua DRE.

Como a consultoria pode ajudar você a evitar erros na DRE

Como você pode perceber, contar com uma equipe experiente na produção da DRE faz toda a diferença. “Com o conhecimento contábil e a expertise de profissionais gabaritados, identificamos a necessidade do cliente e pontuamos devidamente se há algo equivocado e o que deve ser melhorado. Oferecemos acompanhamento constante das aplicações dos princípios contábeis, bem como das normas internacionais, na construção da DRE”, declara Laura Paccanari.

A IRKO também oferece uma série de diferenciais. Se você desejar conferir o que está sendo entregue, fazemos uma prévia revisão e pontuamos se há algum problema ou não, como o não atendimento ao princípio da competência. “Nesse caso, damos orientação para o envio dos documentos a partir do momento que o fato acontece (independentemente da data de nascimento)”, explica Tatiane Freiria.

Além disso, fazemos os envios de documentos que não estão no nome da empresa e, a partir disso, orientamos, dependendo do caso, sobre uma troca da documentação fiscal ou outros procedimentos necessários.

Para auxiliar o trabalho dos nossos experts, a IRKO conta com ferramentas tecnológicas que auxiliam na busca de documentos fiscais. “Temos um sistema que é muito amigável com o Fisco brasileiro. Ele inclui sistemas de workflow e aprovações financeiras”, conta Tatiane.

Outro ponto que é importante é a prestação de contas mensal do cliente com relação ao nosso trabalho, que inclui o envio de relatórios específicos. Com um acompanhamento contínuo (e não apenas quando se encerra o ano), nós conseguimos auxiliar na evolução e movimentação de nossos clientes.

A DRE é um dos relatórios contábeis mais importantes para a gestão de processos na empresa. Com uma série de etapas, ele ajuda a apurar a situação de seus negócios, de modo que você possa ter uma tomada de decisões mais eficiente.

Se você quer uma consultoria para fazer a DRE e aprimorar a gestão de finanças em sua empresa, entre em contato com a IRKO. Será um prazer tirar suas dúvidas e impulsionar seus negócios!

Posts relacionados

Deixe um comentário