Atuar de forma regular no mercado, embora seja uma obrigação a ser cumprida pelas empresas, é também um dos maiores desafios enfrentados por líderes e gestores empresariais.

Em muitos casos, a vastidão da legislação que recai sobre os negócios, somada ao caráter técnico e burocrático a que muitas normas estão revestidas, dificultam o correto atendimento às normas, abrindo margem para rupturas no compliance.

No entanto, apesar desse cenário desafiador, hoje já se fala em ferramentas de compliance para reforçar esse importante atributo dentro das empresas. Essas ferramentas facilitam o controle das atividades internas e reforçam o cumprimento das leis e normas indispensáveis a uma atuação ética e competitiva do negócio.

Diante da importância que as ferramentas de compliance representam no cenário empresarial atual, preparamos este artigo listando 5 das mais importantes delas para a sua empresa. Continue a leitura e confira!

A importância do compliance para a sua empresa

Como se sabe, o compliance diretamente associado à forma como a empresa atua. Isto é, tem íntima relação com a regularidade dos processos e atividades em contraste com as normas, regras e leis que regulam o segmento empresarial a que se está inserido.

Assim sendo, falar em compliance é falar de um conjunto de posturas que tornam a atuação empresarial regular, dentro daquilo que as leis, regulamentos, regras técnicas e até normas internas estabelecem.

De forma geral, o compliance exerce uma função de proteção para as organizações. Ao se dedicar mais atenção às normas e, principalmente, às questões éticas, é possível estabelecer uma atuação muito mais segura, rígida e transparente — atributos esses altamente valorizados no mercado.

Além do mais, o compliance também tem uma grande importância do ponto de vista financeiro. A exemplo, o desatendimento às normas de segurança do trabalho pode ocasionar penalidades à empresa, aumentando os seus custos e reduzindo a sua competitividade.

Hoje, em razão dos frequentes escândalos de corrupção envolvendo políticos e empresas, o compliance ganhou ainda mais notoriedade, deixando de ser um diferencial para se tornar uma verdadeira obrigação por parte das empresas.

Principais ferramentas de compliance

Agora que você já está mais inteirado a respeito da importância das práticas de compliance no cenário corporativo, podemos avançar e mostrar como efetivar esse conceito na realidade da sua empresa. Para isso, como dito, existem diferentes ferramentas de compliance que ajudam a materializá-lo dentro da sua empresa. Conheça 5 delas a seguir!

1. Avaliação de riscos internos

Com foco na análise profunda dos processos da empresa, essa ferramenta auxilia gestores a encontrar inconsistências e falhas que podem causar qualquer tipo de ruptura no compliance da empresa.

A partir de uma visão crítica, um controle sistematizado dos processos e uma análise técnica, busca-se identificar não apenas as fragilidades da empresa que podem ocasionar riscos, mas ir além disso, busca-se definir diretrizes para seguir e minimizar os dados caso os riscos se tornem realidade. Nesse ponto, inclusive, uma consultoria em gestão de riscos pode garantir resultados ainda mais satisfatórios no processo.

2. Controle da qualidade

Uma das ferramentas mais eficientes em termos de compliance é o controle de qualidade. Na prática, o controle de qualidade é aplicado justamente para garantir que determinado processo, produto ou serviço está sendo executado exatamente como planejado.

Quando se avalia a fundo as etapas de execução, é mais fácil identificar falhas e rupturas, evitando-se assim prejuízos maiores para as empresas. Por exemplo, o controle de qualidade em uma indústria é vital para que o produto final atenda às especificações técnicas de segurança impostos pela legislação.

Do mesmo modo, o controle de qualidade em processos internos, como os financeiros, é essencial para que se tenha a certeza de que erros, fraudes ou qualquer tipo de situação antiética está sendo praticada contra a empresa.

3. Mapeamento de contingências

As contingências são situações em que a organização se expõe a riscos, seja pela não observância de uma norma, seja pela negligência quanto a um determinado procedimento obrigatório, por exemplo. Assim, pode-se dizer que as contingências são situações comuns às empresas, estando presentes no dia a dia de operações.

No contexto do compliance, o mapeamento de contingências é um passo importante para ter esse conceito sempre firme nas atividades. Esse mapeamento funciona como uma auditoria interna e consiste na identificação dos pontos mais críticos e que podem, de algum modo e em algum momento, gerar riscos.

A exemplo, pode-se citar as contingências fiscais e tributárias, área que, devido à complexidade, abra margem para que obrigações principais e acessórias não sejam devidamente observadas, gerando multas e restrições para a companhia.

4. Teste de integridade

No contexto do compliance, o teste de integridade tem ganhado aplicabilidade dentro das empresas e pelos profissionais do setor. Esse teste tem como objetivo primordial conhecer mais a fundo o perfil ético do indivíduo, avaliando situações em que sua índole é posta à prova, por exemplo.

Em um cenário em que a corrupção e as fraudes se tornaram notícias comuns na mídia, cada vez mais as empresas buscam formas de compor seus recursos humanos valorizando não apenas as competências e habilidades dos profissionais, mas principalmente o seu caráter.

Nesse sentido, o teste de integridade reforça, por exemplo, a seleção e contratação de colaboradores, dando uma ênfase maior nas questões éticas e no alinhamento do profissional com os valores da empresa, como transparência, caráter e integridade.

5. Código de ética e conduta

Ao lado das demais ferramentas citadas, outra bastante efetiva é o código de ética e conduta. Na prática, esse código é uma espécie de documento que reúne as principais posturas a serem adotadas dentro da empresa, seja na relação com os seus funcionários, seja no relacionamento com os clientes.

De maneira direta, o código de ética e conduta deixa clara a forma como a empresa, por intermédio dos seus membros, deve agir. Nesse documento são inseridas regras, boas práticas e diretrizes a serem seguidas por todos aqueles que se relacionam com a empresa.

Além disso, o código em questão pode servir para a padronização da postura de empregados, líderes e demais membros de uma organização. No mais, o documento pode ser acessado por clientes, garantindo um diferencial importante para a imagem do negócio, reforçando o seu compromisso com a transparência e com a ética.

Por fim, como foi possível perceber, o compliance é um tema de grande relevância no cenário empresarial atual. Por estar associada à atuação regular da empresa, interfere não apenas na sua imagem, mas também na sua sustentabilidade, já que rupturas no compliance podem implicar multas, restrições e até processos criminais.

Nesse sentido, adotar uma postura preventiva é o mais recomendado. O desenvolvimento de uma cultura de gestão de riscos em conjunto com controles internos, por exemplo, são ferramentas de compliance que podem contribuir fortemente com a regularidade da sua empresa, evitando transtornos e prejuízos.

Continue lendo e aprendendo mais sobre o compliance. Confira nosso artigo sobre a importância da cultura de gestão de riscos e controles internos!